O novo conceito de apresentar a moda nessa pandemia

POR: Erica Candido Machado

O impacto que o coronavírus causou na economia mundial, gerando uma crise sem precedentes em vários setores. E a moda é uma delas, claro! Mas, mesmo em meio a tantas dificuldades, não podemos deixar de notar que as tendências na internet continuam com força.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

 E assim as grandes marcas entenderam que para atingir o publico alvo e não deixar de fazer seus lançamentos partiram para as redes sociais e desfiles para fazer seus lançamentos.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Após, dez anos do lançamento do Instagram, ferramenta que estreitou os laços do segmento têxtil com a internet, as configurações das fashions weeks começaram a soar ultrapassadas e não condizentes com a evolução da tecnologia.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Jornalistas e influenciadores que eram obrigados a viajarem de cidade em cidade para ver dezenas de desfiles seguidos, muitas vezes sem descansar ou se alimentar, não instigava mais os formadores de opinião, enquanto alguns estilistas viam os eventos semestrais como uma violação à criatividade.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Após sete décadas do formato dos eventos da Fashion Week essa movimentação que vinha ganhando força cada vez mais nos bastidores da moda acabou estabelecendo em meio ao distanciamento social.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

E no formato tradicional, em uma programação de quatro ou mais dias, estilistas e grandes marcas se reúnem para mostrar suas tendências a formadores de opinião e compradores, em uma passarela onde modelos exibem as apostas para a próxima temporada. E na platéia formadores de opiniões, convidados, grandes marcas aprecia o desfile.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Em um debate ao defender as fashion weeks durante a conversa, dizendo que os eventos são uma oportunidade de reunir a comunidade fashion e gerar sensibilidade humana, Natacha Ramsay-Levi, diretora criativa da Chloé, foi rebatida por Olivier. “Não vejo o digital como menos emocional, mas como uma experiência em que você pode levar seus sonhos ao próximo nível”, argumentou.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Olivier Rousteing, que construiu seu sucesso em cima das redes sociais, defende a difusão da moda nas plataformas on-line

Enquanto isso, outros designers se perguntam como criar uma nova iniciativa unificadora que leve em consideração as condições econômicas e de saúde. “A programação de uma semana de moda é cheia de restrições físicas e criativas, como a necessidade de encontrar um local suficientemente próximo aos desfiles das outras marcas. Essas restrições não são mais uma justificativa plausível”, aponta Alexandre de Betak, fundador da empresa que organiza desfiles para grifes como Saint Laurent, Dior e Jacquemus.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Com essa nova era as grandes grifes estudam a possibilidade de realizarem seus desfiles por meio de plataformas digitais e ações experimentais.

Nesses últimos anos, houve diversas tentativas de reinterpretar as apresentações de moda com ferramentas tecnológicas porem agora estão sendo obrigadas a se reinventarem, mas o humor e o conceito acabaram suprimindo os detalhes reveladores e a essência material que são inerentes ao luxo. Cabe às etiquetas despertarem fora das semanas da moda o desejo que um desfile presencial gera e desperte o mesmo sentimento sendo em plataformas on-line.