NOVO! Nova revista digital Leia mais

Saúde S/A

‘Soma dos medos’, diz psicóloga sobre ansiedade na quarentena

2 Mins read

A quarentena da Covid-19 tem despertado a ansiedade das pessoas que estão ficando muito em casa e seguindo à risca os protocolos de proteção contra o novo coronavírus. Manter a saúde mental em dia na pandemia não é uma tarefa fácil. A psicóloga Maria Rafart explica os fatores que contribuem para o aumento da ansiedade neste período atípico que vivemos.

“A ansiedade é muito protetiva. Nossos ancestrais já usavam essa descarga de cortisol para ficarem bem despertos e se proteger dos perigos externos. O cortisol é como se fosse uma ‘bala de prata’ na agulha de todos nós: se precisarmos lançar mão, por exemplo, de rapidez de movimentos, aí está ele para mostrar ao corpo que estamos em perigo e que devemos tomar uma atitude”, diz a profissional.

Para ela, a pandemia é um elemento ansiogênico (indutor da ansiedade) por excelência. “Trouxe junto, num só pacote, o medo de morrer, o medo de estar em grupo, o medo de perder o esteio econômico e o isolamento social. Podemos ter ansiedade tanto com relação a eventos conhecidos, como desconhecidos. Numa prova de concurso, estamos ansiosos, pois temos aquele medo de não passar no exame. Este tipo de ansiedade pode ser controlado através de algumas atitudes, como estudar e se preparar mais, por exemplo”, avalia.

Contudo, quando o futuro é desconhecido, como ocorre na pandemia, o elemento ansiogênico é multiplicado por muitos dígitos.

“O mundo ao redor parece assustador e ameaçador. A ansiedade não se limita a um dia de prova, como no exemplo acima. Ela se arrasta por todos os dias. A continuidade de índices altos de cortisol faz mal para o organismo. Excesso de cortisol significa estresse, e traz malefícios para a saúde: desde queda de imunidade, predispondo a diversas doenças (inclusive a temida Covid-19), até palpitações, sudorese, e mais ansiedade ainda. Em casos mais graves, predispõe aos ataques de pânico, que podem deixar a pessoa mais insegura ainda, reiniciando o ciclo de ansiedade”.

Rafart recomenda a prática de atividades ao ar livre para aliviar o estresse de tantas preocupações. “Por mais que o comércio feche nas diversas bandeiras de quarentena, as ruas sempre estiveram abertas. Sair de um ambiente que causa ansiedade mexe com nossa atividade cerebral e acrescenta positividade à nossa vida. Uitwaieen é uma palavra holandesa que significa sair ao vento, ao ar livre. Na Holanda, fazer Uitwaieen é um simples remédio, acessível a todos: deixar que o vento bata no seu rosto, admirar a natureza, caminhar apreciando o que está à sua volta. O remédio holandês combate estresse e preocupações, e está ao seu alcance também”.

Related posts
Saúde S/A

Psicóloga lista características que ajudam a diagnosticar o Transtorno de Borderline

2 Mins read
O Transtorno de Personalidade Borderline virou tema de novas discussões após a participação da modelo Raissa Barbosa no reality ‘A Fazenda’, da…
Saúde S/A

Nestlé traz para o Brasil produtos da linha Vital Proteins®

3 Mins read
A marca número 1 de colágeno nos Estados Unidos chega ao Brasil com um portfólio de quatro suplementos de colágeno hidrolisado POR:…
Saúde S/A

Vacinação contra COVID19: o fator elementar para a retomada econômica

3 Mins read
POR: Thamires Pandolfi Cappello No atual cenário econômico brasileiro não há como desvincular a retomada da economia do avanço na campanha de…
Fique por dentro das novidades

[mc4wp_form id="1087"]

Se inscrevendo em nossa newsletter você ganha benefícios surpriendentes.