O “bonito” pode variar

Fazer compras é realmente necessário?