Mileide Mihaile se une à Campanha Sinal Vermelho e aborda problemática da violência contra a mulher em suas redes sociais

Os casos de feminicídio no Brasil aumentaram cerca de 22,2%, entre os meses de março e abril de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados são de um levantamento feito em 12 estados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

O número de denúncias de violência contra a mulher registradas por meio dos canais de denúncias telefônicas da Polícia Militar (190) e da Central de Atendimento à Mulher (180) também apresentou aumento de 40% no mês de abril, segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMDH).

Em contrapartida, o mesmo estudo da FBSP também apontou a queda da abertura de boletins de ocorrência ligados à violência doméstica, o que leva a entidade e as autoridades ligadas à proteção de grupos vulneráveis a acreditarem na subnotificação dos casos. As evidências levam a crer que, devido às recomendações e aos decretos de isolamento social como medidas de combate ao novo coronavírus, as vítimas podem ter mais dificuldades para realizar as denúncias.

Neste cenário, a empresária e influenciadora Mileide Mihaile soma-se à campanha Sinal Vermelho realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) em parceria com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que tem como objetivo incentivar e ajudar vítimas de agressão a denunciarem os abusos. Por meio do símbolo “X” desenhado em vermelho em uma das mãos, mulheres podem pedir socorro em qualquer farmácia parceira da ação. Segundo a juíza Renata Gil, presidente da AMB e idealizadora do projeto, já são mais de 10 mil farmácias fazendo parte da campanha. Todas elas estão sinalizadas com o cartaz da ação.

A partir do sinal enviado – através do símbolo mencionado – para qualquer funcionário do estabelecimento credenciado, a polícia será acionada para que as medidas cabíveis ao atendimento da vítima e à identificação do agressor sejam tomadas. Convidada diretamente pela idealizadora para ajudar a disseminar as ações do projeto nas redes sociais, Mileide não hesitou em participar. Com mais de 3,7 milhões de seguidores no Instagram, a influenciadora pretende chamar a atenção para a gravidade do tema, auxiliar mulheres a identificarem situações de abuso e agressão e encorajá-las a realizarem as denúncias.

“Me sinto muito honrada por poder fazer parte dessa corrente, por poder ajudar mais pessoas a refletirem sobre esse problema. Agradeço demais à juíza Renata Gil por confiar em mim e no meu público para que, juntos, possamos unir forças em prol das mulheres que sofrem com a violência diariamente dentro de casa. Isso nunca foi e nunca será aceitável e a sociedade precisa entender, de uma vez por todas, que esse é um problema de todos. Principalmente nós, mulheres, temos de proteger umas às outras! Não podemos mais nos calar diante desses números e desses casos”, comenta Mileide.

Além de aderir à campanha, a empresária realizou, na semana passada, uma live com a participação da advogada criminalista Fabíola Amorim, para esclarecer as possíveis aplicações da Lei Maria da Penha e debater questões estruturais e sociais ligadas à violência contra o público feminino, além de reforçar a divulgação dos canais para denúncias.

*Por Jairo Rodrigues