Emancipação feminina permanece em pauta na London Book Fair

POR: Larissa Caldin

A edição de 2019 da London Book Fair,segunda maior feira de livros do mundo, confirmou movimentos que a indústria do livro tem vivenciado nos últimos anos. Andando pelos estandes, é visível que o assunto emancipação feminina continua em pauta. Aliás, essa temática já se mostrava uma forte tendência entre os expositores e agentes presentes na versão do ano passado. Entretanto, senti que esse ano o assunto passou por um processo de amadurecimento pelo número de títulos que tratam do empoderamento feminino para leitores de diferentes faixas etárias. Livros infantis – que contam histórias de princesas que já não precisam mais do príncipe para salvá-las, porque aprenderam a abrir as portas (metafórica e literalmente) –; obras young adult por todos os lados, abordando a importância da aceitação corporal; muitos livros sobre a inserção de mulheres no mercado de trabalho; sobre a realidade da maternidade; e com dicas de como conseguir atender a todas as expectativas que o mundo moderno nos impõe.

Uma percepção que tive nesse ano – e que não vi ano passado – é que aquele velho conceito de que livros da temática feminista eram obras de “esquerda” caiu por terra. Diversas editoras, inclusive as autointituladas conservadoras, estão publicando títulos sobre histórias de mulheres que se destacaram em guerras e esportes, por exemplo. O debate do gênero, da participação das mulheres, superou a polarização política, o que é um passo significativo e interessante.

Para uma editora, ir a uma feira internacional de livros tem alguns propósitos: o networking com editores, agentes e todos os profissionais da cadeia do livro mundial e a visualização das tendências internacionais – ou seja, o que está sendo publicado mundo afora. Essa investigação das tendências perpassa questões como conteúdo e plataforma. No cerne da participação, a missão de encontrar bons títulos dentro da linha editorial trabalhada, trazendo-os para tradução e publicação. Quando colocamos em um parágrafo, esse objetivo parece simples, mas diante de uma feira como a londrina, até o ato de se movimentar pelo Olympia Conference Centre é algo complexo e repleto de significado.

Além dos estandes, temos o desafio da visita ao Rights Centre. Definido lindamente por Leonardo Neto, editor da PublishNews, como o “coração nervoso da feira” – um lugar onde a feira pulsa, bombeia negócios – o local é onde os editores encontram agentes em reuniões milimetricamente marcadas com antecedência. Nesses encontros, o objetivo é solicitar alguns títulos e ouvir deles o que têm para oferecer, sempre levando em conta a linha editorial e temas que o editor procura. São as reuniões mais produtivas possíveis e ocorrem em um período de até trinta minutos; uma verdadeira maratona que desafia os fãs de reuniões longas! Embora a feira de Londres seja menor se comparada a de Frankfurt, na Alemanha, ela proporciona um ambiente mais intimista – claro que com toda aquela loucura que uma feira deve ter, mas demandando um olhar atento em cada estande dos expositores.

Como publisher da Primavera Editorial, estar na London Book Fair, no período de 12 a 14 de março, significou um perfeito alinhamento da editora com a discussão mundial sobre desigualdade de gênero, colocação da mulher no mundo corporativo, oportunidades e avanços na emancipação feminina. A pauta – compartilhada pela editora – não tem fim, e (in)felizmente não terá tão cedo. Existe tanta coisa para ser falada, que as editoras do mundo inteiro têm conteúdos diferentes e oxigenados para oferecer. Voltei com a com a mala cheia: 57 livros para a equipe da Primavera Editorial analisar e escolher os melhores para nossos leitores brasileiros! 

 

 

Larissa Caldin é graduada em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) e atua, há quatro anos, como publisher da Primavera Editorial – editora voltada para a publicação de títulos que auxiliam na emancipação feminina.

Deixe uma resposta